Maquiavel e a guerra no Iraque

Ontem li sobre um artigo na Der Spiegel, intitulado “The US Army Learns from its Mistakes in Iraq“, onde mostra uma espécie de revolução acontecendo nas forças armadas norte americanas, na maneira como a guerra é conduzida, tratamento com os civis, sociedade e religião.

O artigo mostra [1] que uma durante uma guerra não é apenas bombas, cercos, destruição que pode determinar o vencedor e perdedor, mas contruir escolas, poços artesianos, creches, organização das instituições, para dizer alguns, também tem um papel fundamental ao tentar subjugar um oponente.

Em outra parte o artigo comenta que a construção de áreas de lazer e estádios, colaboram mais do que lutar em pequenas zonas de combate.

Em outra parte, um estudante militar comenta que outros militares “cabeça dura” querem apenas cumprir as missões de combate destruir os alvos e os inimigos, mas o que ocorre é o inverso, ao invés de destruir, apenas fortalece o inimigo fornecendo mais razões para continuar a batalha.

Ao ler este artigo, pensei rapidamente “já li sobre isso”, de fato foi no “O Princípe” de autoria do florentino Nicolau Maquiavel.

Algumas passagens interessantes, comentam [1] que a nação que subjuga a outra, para manter-se no poder deve contar com a colaboração dos civis, e isso pode ser conseguido: não colocar impostos pesados; ser justo; colocar um nativo como governante local; etc.

Bem, qual é a relação ? é o envolvimento com os valores da sociedade civil, os valores regionais, a religião e costumes, devem ser fortemente levados em consideração, mostrando que a nação invasora é justa e respeitosa.

Por enquanto li apenas O Principe, que recomendo. Nele Maquiavel discursa sobre o poder, relacionado ao militarismo, governança, religião. Fornece narrações sobre eventos que ele presenciou, ou que estudou, mostra os pontos fortes e as perdas pela falta de ação, sobre guerras vencidas e perdidas, governos que foram derrubados, por coisas simples, tramas e traições, uma super leitura, nestas férias.

meta-footnote-1=Infelizmente por leis de direito autoral não posso reproduzir os trechos a que me refiro, logo vocês terão de ler nos links que informei acima.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *